segunda-feira, maio 19, 2014

CANTO D'AQUI NA ESCOLA


Na próxima sexta-feira, dia 23 de maio, vamos ter na nossa Escola um momento que, por certo será marcante.
Continuando a assinalar os 40 anos do 25 de abril, teremos entre nós o grupo Canto D’aqui para um espetáculo intitulado Canções de Abril, com especial destaque para as canções de Zeca Afonso e Adriano Correia de Oliveira.
O grupo Canto D´aqui tem desenvolvido um trabalho de relevo na pesquisa e divulgação da música tradicional e popular portuguesa, com o objetivo de manter viva a nossa cultura musical. No seu trabalho tem dado especial destaque às canções e às palavras das vozes de intervenção e protesto que se ergueram nos últimos anos da ditadura e nos anos que se seguiram à Revolução de abril.
Amares vai poder assistir a um concerto de um grupo excepcional que tem realizado grandes espetáculos  em Portugal e no estrangeiro, com destaque para os realizados recentemente no Theatro Circo, de Braga e na Casa da Música, no Porto.
O espetáculo realiza-se na Escola Secundária de Amares, pelas 21:30 horas da próxima sexta-feira dia 23 de maio e a entrada é livre.

A não perder! Compareçam!

FEIRA DO LIVRO DE AMARES


domingo, maio 11, 2014

UMA TARDE MEMORÁVEL, COM LÍDIA JORGE


Na passada sexta-feira vivemos na nossa Escola uma tarde memorável. A escritora Lídia Jorge esteve na nossa Biblioteca a apresentar o seu último romance, Os Memoráveis. Numa longa conversa, que acabou por ultrapassar o tempo previsto, a autora começou por explicar como lhe surgiu a inspiração para esta obra e comparou a abordagem que aqui faz acerca do 25 de abril, com aquela que havia realizado em O dia dos prodígios, publicado há 24 anos. 
Na construção da narrativa, Lídia Jorge contou como procurou encontrar as personagens dos heróis, mas salientou que o seu livro é não é uma apologia da revolução de abril ou sobre os acontecimentos, mas sim sobre a passagem do tempo e sobre a memória que foi sendo construída e sobre a apropriação que a memória coletiva fez.. É um olhar sobre o passado que muitos recordam mas também o olhar daqueles que depois vieram e que não sentem aquele momento da mesma forma.
Lídia Jorge salientou também a coincidência de estarem a surgir muitas obras, com diferentes visões (ficção, crónica, fotografia, história) que, sem saberem umas das outras, sentiram necessidade de agora verem a luz, a que não será estranho os tempos complicados que Portugal tem vivido.
Finalizou com um apelo a todos, particularmente aos mais jovens, para que procurem na Arte, nas Letras, na Educação, o factor distintivo das suas vidas.
A sessão terminou com a oferta de diversas lembranças da Escola, que a autora, com gosto notório, agradeceu, não se furtando a uma longa sessão de autógrafos. 
Uma tarde absolutamente memorável que Lídia Jorge marcou pela sua simplicidade, simpatia e palavras esclarecidas.
Para além da honra que foi recebê-la, constituiu um momento único e um enorme prazer poder ouvi-la. 
Obrigado Lídia Jorge!






quarta-feira, maio 07, 2014

LÍDIA JORGE NA BIBLIOTECA

 Na próxima sexta-feira, dia 9, pelas 15 horas vamos ter a escritora Lídia Jorge na nossa Biblioteca para apresentar o seu último romance, Os Memoráveis.
Romancista e contista portuguesa, Lídia Jorge nasceu no Algarve mas viveu em África os anos mais conturbados da Guerra Colonial. Foi membro da Alta Autoridade para a Comunicação Social. É professora do ensino secundário e publica regularmente artigos na imprensa. O tema da mulher e da sua solidão é uma preocupação central da obra de Lídia Jorge, como, por exemplo, em Notícia da Cidade Silvestre (1984) e A Costa dos Murmúrios (1988). O Dia dos Prodigíos (1979), outro romance de relevo, encerra uma grande capacidade inventiva, retratando o marasmo e a desadaptação de uma pequena aldeia algarvia. O Vento Assobiando nas Gruas (2002) é mais um romance da autora e aborda a relação entre uma mulher branca com um homem africano e o seu comportamento perante uma sociedade de contrastes. Este seu livro venceu o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores em 2003.
Neste seu último romance, que vai apresentar na nossa Biblioteca, Lídia Jorge narra a história de Ana Maria Machado, uma repórter portuguesa em Washington, que, em 2004, é convidada a fazer um documentário sobre a Revolução de 1974, considerada pelo embaixador americano à época em Lisboa como um raro momento da História. Aceitado o trabalho, regressa, contrata dois antigos colegas, e os três jovens visitam e entrevistam vários intervenientes e testemunhas do golpe de Estado, revisitando os mitos da Revolução. Um percurso que permite surpreender o efeito da passagem do tempo não só sobre esses "heróis", como também sobre a sociedade portuguesa, na sua grandeza e nas suas misérias.Transfiguradas, como se fossem figuras sobreviventes de um tempo já inalcançável, as personagens deOs Memoráveis tentam recriar o que foi a ilusão revolucionária, a desilusão de muitos dos participantes e o árduo caminho para uma Democracia. Paralela a esta acção decorre uma outra, pessoal e íntima: a história do pai da protagonista, António Machado, que retrata em privado o destino que se abate sobre todos os outros. Todos vivem na Democracia, uma espécie de lugar de exílio. Mas um dia, todas as misérias serão esquecidas, quando se relatar o tempo dos memoráveis.

segunda-feira, maio 05, 2014

MAIO maduro ABRIL - a Liberdade vai passar por aqui!


Estamos a comemorar os 40 anos do 25 de Abril. Durante o mês de maio vão ocorrer várias atividades, numa iniciativa designada Maio maduro Abril. Na terça-feira, 7 de maio, o Professor Cândido Oliveira Martins, da Universidade Católica Portuguesa profere uma conferência intitulada "Para uma leitura d ”Aventuras de João Sem Medo“ de José Gomes Ferreira". Na sexta-feira, 9 de maio, a Biblioteca recebe a escritora Lídia Jorge, um nome da primeira linha das letras portuguesas, que apresenta o seu último romance "Os Memoráveis", centrado no 25 de Abril e nos seus heróis. No dia 23 de maio, sexta-feira, o grupo musical Canto d'Aqui, uma referência na evocação das canções de Zeca Afonso, apresenta-se num espetáculo com as Canções de Abril. Por fim, no dia 26 (data a confirmar), Alfredo Cunha, o fotógrafo da Revolução apresenta o seu último livro "Os rapazes dos tanques", em co-autoria com Adelino Gomes. 
Estão TODOS convidados! 
A Liberdade vai passar por aqui!