quinta-feira, fevereiro 28, 2013

O CÈREBRO EM MUDANÇA NA ERA DA INFORMAÇÂO


Realizou-se ontem, na nossa Biblioteca, a palestra subordinada ao tema O Cérebro em Mudança na Era da Informação, a cargo da Drª Teresa Silveira, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Tendo como base o estudo que realizou acerca do comportamento leitor de adolescentes do Norte de Portugal, esta investigadora procurou perceber até que ponto os novos contextos tecnológicos têm impacto no desenvolvimento da "arquitetura cerebral" para a leitura, sobretudo do tipo contemplativa. Nos seus estudos analisa a importância da leitura nos primeiros níveis de escolaridade, demonstrando os mecanismos fisiológicos desencadeados no cérebro pela prática da leitura.

Ao longo de mais de uma hora e meia, a audiência, composta por professores e alunos pôde ouvir a exposição e colocar questões que a temática suscitou. Foi possível esclarecer alguns dos comportamentos dos jovens de hoje, que dedicam diversas horas do seu dia a interagir com um ecrã, conversando em chats, publicando em blogs, participando nas redes sociais, vendo vídeos e ouvindo música ou simplesmente saltando de página em página à procura de alguma informação ou de algo que lhes interessa. Esta tendência para que o estudo aponta, mostra que os jovens têm novos hábitos de lazer que estão a condicionar a prática leitora.
Chamou a atenção para algumas ideias fundamentais:
A competência leitora é o resultado de um processo de aprendizagem contínuo no qual o cérebro assume o papel central.
A competência de ler é o resultado de um processo de aprendizagem contínuo no qual o cérebro assume o papel central. Os primeiros 8/10 anos de vida são fundamentais. Trata-se de um período no qual, com facilidade e rapidez, se adquirem, moldam ou se alteram determinados sistemas internos de acção.
O desenvolvimento do cérebro leitor está intimamente relacionado com a repetição da acção ou com a carga emotiva a ela associada. A repetição é assim um processo intrínseco essencial para formar rotinas de acção e torna-la verdadeiramente eficiente.
A plasticidade neural permite ao cérebro organizar-se e aprender ao longo da vida, não possibilita, no entanto, activar áreas cerebrais específicas para desenvolver acções particulares como ler, escrever e contar que não o tenham sido durante os períodos sensíveis, nomeadamente nos primeiros anos de vida de uma criança.
Em termos práticos parece claro que o cérebro humano tem timings muito limitados para desenhar e desenvolver toda a arquitectura que permitirá fazer do acto leitor uma prática intrínseca, natural e fluída, ou seja, a base para a aquisição e desenvolvimento das competências informacionais. O “cérebro malabarista”, capaz de acolher e de atender aos vários estímulos em simultâneo, mas cada vez mais incompatível com actividades como a leitora, cujo gozo e a compensação derivam da capacidade de ultrapassar a natureza de alerta do cérebro, isolando-o unicamente para a actividade leitora, tornando-se esta o estímulo em si mesmo.
Neste contexto o papel dos mediadores de leitura em contexto escolar – professores ou bibliotecas – assume um lugar cada vez mais importante na compreensão das novas realidades, na promoção de hábitos de leitura e na resposta aos novos desafios que se colocam com as novas tecnologias e a atração que representam para os mais jovens, “nativos digitais”
A sessão revelou-se um momento particularmente rico não apenas pelo entusiasmo, clareza e solidez da abordagem da oradora mas também pela relevância que a temática tem para os presentes, nos tempos atuais. 


terça-feira, fevereiro 26, 2013

O CÉREBRO EM MUDANÇA NA ERA DA INFORMAÇÃO


Amanhã, dia 27 de fevereiro, pelas 16 horas, vai realizar-se na nossa Biblioteca uma palestra subordinada ao tema O Cérebro em Mudança na Era da Informação. Estará a cargo da Drª Teresa Silveira, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e terá como base o estudo que realizou acerca do comportamento leitor de jovens do Norte de Portugal. No seu trabalho, esta investigadora procurou perceber até que ponto os novos contextos tecnológicos têm impacto no desenvolvimento da "arquitetura cerebral" para a leitura, sobretudo do tipo contemplativa. Nos seus estudos analisa a importância da leitura nos primeiros níveis de escolaridade, demonstrando os mecanismos fisiológicos desencadeados no cérebro pela prática da leitura.

sexta-feira, fevereiro 22, 2013

LITERACIA ESTATÍSTICA - FORMAÇÃO

No âmbito do protocolo realizado entre a Rede de Bibliotecas Escolares e o Instituto Nacional de Estatística (INE), vai realizar-se na próxima terça-feira, dia 26 de fevereiro, a partir das 14:30 H, na Biblioteca, uma formação para professores, orientada pelo INE e intitulada A Literacia Estatística ao serviço da cidadania - uma primeira abordagem. A formação está aberta a todos os professores.

quinta-feira, fevereiro 21, 2013

CORREIO DO MINHO DESTACA APRESENTAÇÃO DE JOÃO TORDO

O Correio do Minho, na sua edição de hoje, destaca a presença de João Tordo na nossa biblioteca e apresenta  as opiniões dos nossos alunos Januário Barros, Elsa Martins, Carina Ribeiro e Priscila Lourenço acerca da forma como encaram a vinda de escritores à escola.

JOÃO TORDO APRESENTOU O ANO SABÁTICO

O escritor João Tordo esteve, ontem, na nossa Biblioteca onde apresentou o seu último livro, O Ano Sabático. Tordo apresentou-se num registo descontraído que agarrou os presentes, nomeadamente os mais jovens. Em mais de uma hora de conversa, contou algumas experiências da sua vida, abordou o seu percurso enquanto escritor e, obviamente, falou dos seus livros, das suas personagens, das suas histórias e dos factos que as inspiraram.
Explicou de que modo as suas vivências estão sempre presentes nos seus livros. Neste contexto falou particularmente do seu último romance, O Ano Sabático e abriu mesmo um pouco da sua intimidade, revelando que quando nasceu tinha um irmão gémeo, que morreu passado seis horas. Esta sua história foi um dos pontos de partida para a história de Hugo, o contrabaixista de jazz que decide parar um ano mas, quando regressa a Lisboa, se depara com um caso insólito: assiste a um concerto de um pianista que toca um tema inédito que ele reconhece, já que o escreve há anos na sua cabeça.
João Tordo respondeu também a várias perguntas colocadas pela assistência, revelando grande frontalidade e sentido de humor, falando dos seus livros preferidos, do processo criativo mas não se furtando a expressar o seu sentir acerca da situação do país e das perspetivas que se abrem aos jovens, aconselhando cada um a encontrar o seu espaço e a sua vocação.
Um excelente tempo de conversa sobre livros que constitui mais uma boa oportunidade de promoção da leitura.

domingo, fevereiro 17, 2013

JOÃO TORDO apresenta O ANO SABÁTICO

Na próxima 4ª feira, dia 20 de fevereiro, pelas 15 horas, o escritor João Tordo apresenta, na nossa Biblioteca, o seu novíssimo romance O ano sabático.
O livro conta a história de Hugo, um contrabaixista de jazz, que depois de treze anos de vida desregrada no Québec, decide tirar um «ano sabático» e regressar a Lisboa, onde espera reencontrar o equilíbrio junto da família. Porém, logo numa das primeiras noites, assiste ao concerto de Luís Stockman - um pianista que se tornou recentemente famoso -, e a almejada paz transforma-se no pior dos pesadelos: Stockman toca um tema inédito que Hugo conhece bem demais, pois é o mesmo que vem escrevendo há anos na sua cabeça…
Quando o começam a confundir na rua com o pianista - e a própria mãe lança a dúvida sobre a sua identidade -, Hugo encetará uma busca obsessiva da verdade e do seu duplo, entrando num labirinto de memórias e contradições que o conduzirá a um destino muito mais funesto do que imaginara ao deixar Montreal. É nessa mesma cidade que Stockman desaparecerá, curiosamente, mais tarde, segundo nos conta o seu melhor amigo - o narrador deste romance - a quem cabe agora desmontar os acontecimentos, destrinçar fantasia e realidade e enfrentar as assustadoras e macabras coincidências que unem, como num espelho, a vida dos dois músicos.

sexta-feira, fevereiro 15, 2013

DIA DOS NAMORADOS

O Dia dos Namorados foi assinalado pelos nossos alunos no âmbito das disciplinas de Português e Francês. Aqui ficam alguns registos



                         O amor é cego
                         mas faz ver a razão
                         da vida e do coração.
                         Tem olhos vendados
                         e não encontra pecados
                         nos seres enamorados.
                         Nesta cegueira
                         só há uma luz:
                         o ser que o seduz.
 
                         O amor é cego
                         e deforma tudo a seu jeito
                         vê beleza e maravilha
                         no mundo mais imperfeito. 
                         Que bom é viver assim
                         no doce encantamento
                         de uma cegueira amorosa
                         que anula a marcha do tempo!
 
                                                                     8º. B
 
                         Há tanto amor!
 
                         Há tanto amor quando te sinto perto de mim,]
                         tanto amor plantado no meu jardim!
 
                         Há tanto amor no meu coração,
                         algum desperdiçado em vão!
 
                         Há tanto amor perdido pelo mundo,
                         amor jovem, puro e profundo…
 
                         Há tanto amor para dar, para receber…
                         Tanto amor para plantar, para colher…
 
                         Há tanto amor!

                                                                 Daniel, 8º. B

 
                         Descobri o Amor na escola
                         E guardo-o na sacola.
                         À noite, levo-o comigo para casa
                         e guardo-o debaixo da almofada.
                         Com ele costumo viajar e sonhar
                         Até ao lugar onde te encontro…
                         São pássaros a trinar
                         Flores a desabrochar
                         Um regato de água fresca
                         Muito verde no teu olhar.
                         Às vezes é um fogo que arde sem se ver
                         um contentamento descontente
                         um sol que se esconde no poente
                         uma dor que desatina sem doer
                         outras vezes é sorriso que perdura
                         suspiros de saudade  
                         e doce ternura.
 
                         Amor…
                         um sentimento bom que agita o coração
                         a mais extraordinária emoção!

                                                                     8º. B

quarta-feira, fevereiro 13, 2013

JOÃO TORDO NA BIBLIOTECA

Na próxima 4ª feira, dia 20 de fevereiro, vamos receber na nossa Biblioteca o escritor João Tordo
O autor, Prémio Literário José Saramago 2009, vai estar à conversa com os leitores, apresentando o seu novo romance O Ano Sabático, seguindo-se uma sessão de autógrafos. Os livros de João Tordo estão à venda na Biblioteca, sendo a sessão de entrada livre a toda a comunidade educativa.

João Tordo nasceu em Lisboa em 1975. Licenciou-se em Filosofia e estudou Jornalismo e Escrita Criativa em Londres e Nova Iorque. Em 2001, venceu o Prémio Jovens Criadores na categoria de Literatura. Publicou os romances O Livro dos Homens sem Luz (2004); Hotel Memória (2007); As Três Vidas (2008), que recebeu o Prémio Literário José Saramago e cuja edição brasileira foi, em 2011, finalista do Prémio Portugal Telecom; O Bom Inverno (2010), finalista do prémio Melhor Livro de Ficção Narrativa da Sociedade Portuguesa de Autores e do Prémio Literário Fernando Namora e cuja tradução francesa integra as obras seleccionadas para a 6.ª edição do Prémio Literário Europeu; e Anatomia dos Mártires (2011), finalista do Prémio Literário Fernando Namora. Os seus livros estão publicados em diversos países. Trabalha como cronista, tradutor, guionista e formador em workshops de ficção.

quarta-feira, fevereiro 06, 2013

Redes Sociais: Podemos ou não confiar?

Assinalamos, ontem, o Dia da Internet Mais Segura 2013, oportunidade para ouvirmos o Professor Henrique Santos, do Departamento de Sistemas de Informação da Universidade do Minho, reconhecidamente um dos maiores especialistas portugueses nas áreas da segurança em sistemas de informação e segurança em redes de computadores. A palestra “Redes Sociais: Podemos ou não confiar?" foi dirigida a toda a comunidade educativa, mas vocacionada particularmente para os alunos do ensino secundário, utilizadores frequentes das redes sociais. Na ocasião, este especialista reconheceu a importância e utilidade das redes sociais mas alertou os ouvintes para os cuidados a ter na sua utilização, demonstrando a facilidade de cometer erros ou de alguém se ver envolvido em situações desagradáveis. Confrontou os presentes com 10 situações comuns que podem configurar comportamentos de risco no uso da internet e das redes sociais: 
  1. a publicação de informação pessoal em sites públicos, incluindo fotografias; 
  2. o envio de informação pessoal a alguém que não se conhece; 
  3. a abordagem de assuntos de sexo com alguém que não se conhece pessoalmente;
  4. o acesso a sites pornográficos (frequentemente commalware);
  5. a transferência de ficheiros através do mecanismo P2P (e.g. BitTorrent);
  6. a utilização de nicknames com conotações sexuais;
  7. a partilha de “amigos” desconhecidos através das redes sociais;
  8. a realização de comentários ofensivos (ou difamatórios) sobre racismo e violência;
  9. a realização de plágio e a violação de direitos de autor;
  10. a abertura de anexos desconhecidos de mensagens consideradas “autênticas”.
A palestra permitiu aos presentes ganharem uma maior consciência dos riscos existentes e obterem mecanismos de defesa na utilização da internet e, particularmente, das redes sociais. Resultou, ainda, claro que a prevenção e a consciencialização para uma utilização responsável da internet tem de ser uma tarefa desenvolvida, diariamente, com os jovens, pela escola, pelas famílias e por outras entidades. 

terça-feira, fevereiro 05, 2013

Dia da Internet Mais Segura 2013

Comemora-se hoje o Dia da Internet Mais Segura 2013, este ano sob o lema “Direitos e deveres online: Liga-te, mas com respeito”. Vamos assinalar a data com a palestra do Professor Henrique Santos, da Universidade do Minho, subordinada ao tema "Redes sociais: Podemos ou não confiar? Entretanto recordamos aqui uma sugestão de leitura, particularmente vocacionada para os mais jovens: o livro Internet e Redes Sociais da autoria dos professores Sara Pereira, Luís Pereira, Manuel Pinto, da mesma universidade.
A edição digital é grátis e está acessível em 
estando igualmente disponível na nossa Biblioteca Digital.

sexta-feira, fevereiro 01, 2013

REDES SOCIAIS: PODEMOS OU NÃO CONFIAR?

Na próxima terça feira, 5 de fevereiro, pelas 15 H, vamos assinalar o Dia da Internet Segura com uma palestra proferida pelo Professor Henrique Santos, do Departamento de Sistemas de Informação, da Escola de Engenharia da Universidade do Minho.
O tema da palestra é Redes Sociais: Podemos ou não confiar?, uma temática da maior atualidade e pertinência para todos, particularmente para os mais jovens, tão entusiastas das redes sociais. A palestra é aberta a toda a comunidade educativa.
O Professor Henrique Santos é Professor Associado do Departamento de Sistemas de Informação da Escola de Engenharia, da Universidade do Minho. Autor de diversas publicações, é um dos maiores especialistas portugueses nas áreas da segurança em sistemas de informação e segurança em redes de computadores.

MIBE - MÊS INTERNACIONAL DA BIBLIOTECA ESCOLAR

Neste mês de Outubro estamos a assinalar, como sempre acontece, o Mês Internacional da Biblioteca Escolar. Aqui ficam o cartaz e o marcador ...